segunda-feira, 2 de maio de 2011

O Discurso do Rei + Inverno da Alma


Sinopse
O filme conta a história do Rei George VI, que é obrigado a assumir o Trono Real Britânico contra a sua vontade devido ao falecimento do pai e ao escândalo provocado por seu irmão Edward, sucessor direto do pai. Além de se sentir despreparado para o cargo, pois não esperava ser Rei, George ainda sente-se inseguro por ser gago, afinal, como Rei, precisaria discursar para o seu povo. Sua esposa Elisabeth, então, começa uma busca por profissionais que consigam resolver o problema de seu marido, a fim de evitar constrangimento e humilhação ao mesmo, além de aumentar a sua auto-confiança. Após muita procura, Elisabeth encontra Lionel Logue. Com o tempo, o ajudou muito e acabaram se tornando ótimos amigos.


Assisti ao filme O Discurso do Rei na última semana antes de sair de cartaz. Das pessoas que conheço que viram, todas disseram que o filme era legalzinho e apenas uma disse que era ótimo, mas por algum motivo sabia que eu ia gostar muito do filme. Pois bem. Assisti e adorei. É um filme sensível e crítico, tipicamente inglês. Maravilhoso! O filme prende a sua atenção do início ao fim, te faz querer saber o que acontecerá a seguir, mesmo não sendo um filme de ação nem super dramático e sabendo mais ou menos como será o seu final. Você se envolve com todo o drama da gagueira do Rei George VI. Apesar de simples, não é uma história clichê. Eu, pelo menos, nunca havia assistido a um filme em que o protagonista era uma pessoa gaga tentando se curar de seu problema. 

George sofreu  com a gagueira desde a infância, por culpa da babá que o maltratava e preferia seu irmão, e foi atormentado pelo seu irmão e por seu pai por causa dela até a idade adulta. George sente-se diminuído e possui baixa auto-estima, mas é sempre apoiado por sua amorosa esposa Elisabeth e é um pai amoroso para suas duas filhas, que também o apoiam. Durante muito tempo, George tentou se recuperar de seu problema e procurou inúmero profissionais que pudessem ajudá-lo. Sem resultados e percebendo a aflição do marido, Elisabeth decide ir até Lionel Logue, um terapeuta com métodos não-convencionais e de postura contrária à de um terapeuta tradicional. De primeira, George foi relutante ao tratamento de Logue, mas acabou cedendo aos poucos ao perceber que estava dando bons resultados e que ele poderia ajudá-lo com seu problema. Por fim, tornaram-se grandes amigos até o fim da vida.

Colin Forth está perfeito no filme! Interpretou George VI com maestria! Todas as falas e os gestos nos fazem crer que ele é mesmo gago e que sofre com isso. Geoffrey Rush também está excelente no papel de Lionel Logue, extremamente interessante e peculiar. Helena Bonham Carter ficou ótima no papel de uma esposa normal, mas confesso que a prefiro em papeis mais góticos. O filme realmente mereceu os 4 Oscars que ganhou: Melhor Filme, Melhor Ator (para Colin Firth), Melhor Diretor (Tom Hooper) e Melhor Roteiro Original. Recomendo.

~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~


Sinopse
Ree Dolly, uma menina de 17 anos que cuida da mãe doente e de dois irmãos pequenos, precisa encontrar o pai Jessup, que não sabe se está vivo ou morto, para tentar não perder a casa onde mora. Em sua jornada, encontra vários inimigos do pai e poucos aliados. Porém, não fraqueja nunca e sempre pensa em suas família, mesmo com todas as dificuldades e situações horríveis por que passa e o peso que carrega em suas costas.


Posso definir Inverno da Alma como um filme soco no estômago e chute na alma. É um filme altamente dramático e denso, com uma história e cenas fortíssimas. É excelente. Mereceu uma indicação ao Oscar. Assisti sozinha ao filme também quando estava quase saindo de cartaz. Saí do cinema deprimida. A história da Ree mexe mesmo com a gente. Mesmo que não tenhamos passado por nada parecido na vida, não há como ficar indiferente. Eu me identifiquei um pouco com ela. Algumas situações pelas quais ela passou, jamais conseguiríamos imaginar passar. Ela sofre um terror psicólogico enorme. A personagem é extremamente obstinada e ligada à família, apesar de nunca sorrir. Faz de tudo para conseguir encontrar seu pai e não perder a casa, onde cuida de seus irmãos pequenos e de sua mental com problema mental. Até espancada ela foi em sua busca.

A história gira em torno de coisas que não devem ser descobertas, onde os fracos devem calar a boca perante os fortes. Diálogos curtos e precisos. Um filme bem silencioso. É um filme que prende completamente a sua atenção e te deixa nervosa (o) em algumas cenas, querendo sempre saber qual será o próximo passo de Ree e sua respectiva consequência. Sinceramente, acho que Jennifer Lawrance merecia o Oscar de Melhor Atriz mais do que a Natalie Portman. Por quê? Porque ela é uma atriz mais jovem e inexperiente que Natalie Portman, o papel que interpretou é muito mais difícil que o de uma bailarina insegura que enlouqueceu e ela o interpretou de forma esplêndida. por isso. Vale muito à pena assistir. Recomendo muito.

4 comentários:

Dama de Cinzas disse...

Eu vi O Discurso dos Rei e gostei muito. Já Inverno da Alma ainda não vi, mas está aqui para eu assistir.

Beijocas

Emíliana disse...

Assisti o Discurso do Rei e adorei tbm.Simples,mas mostra a que veio.Quanto ao segundo ainda nao vi e vou seguir a dica.
Obrigada querida,boa semana,bjk

Bianca M. disse...

Até agora nao consegui assistir O Discurso do Rei =/ Estou louca pra ver!! ;D
Adorei o blog viu?
Depois passa la no meu que ta tendo sorteio ;) Uma paleta da Urban Decay + esmalte da OPI!
www.blushplus.blogspot.com

Beijos!

Stéphanie disse...

Ainda não vi nenhum, mas quero ver e gostei da dica, só preciso arrumar um tempinho.

Beijos.

LinkWithin

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...