terça-feira, 9 de julho de 2013

Resenha – Un Secret

Título: Un Secret (Um Segredo em Família)
Autor: Philippe Grimbert
Gênero: Drama/Romance
Editora: Le Livre de Poche (França) / Record (Brasil)
Páginas: 192 (França) / 176 (Brasil)
Preço médio: R$ 28,00 (em francês) / R$ 24,90 (em português)
Onde Comprar: Cultura | Saraiva | Travessa | Submarino

Muitas vezes, as crianças inventam uma família, uma outra origem, outros pais. O narrador deste livro inventou um irmão. Um irmão mais velho, mais bonito, mais forte, que ele chama em frente aos amigos de férias, os estrangeiros, os que não irão verificar... E então, um dia, ele descobre a verdade, impressionante, quase aterrorizante. E aí está uma história muito trágica, que remonta ao tempo do Holocausto, e dos milhões de desaparecidos que derrubaram um muro de silêncio.

Para quem não sabe, eu faço curso de francês há um tempo, oui. Este semestre, o professor mandou que lêssemos nosso primeiro livro em francês para fazermos uma discussão em sala de aula. Pois bem. Eu li e resolvi fazer uma resenha do livro pra vocês. Pesquisei e descobri que tem a versão em português, então todos que não entendem o idioma francês podem ler o livro. Coloquei os links de onde comprar a versão francesa e a versão brasileira. Traduzi a sinopse acima do livro original, por isso ela está um pouco diferente da versão brasileiro do livro.

A história se passa durante a 2ª Guerra e o Nazismo. Começa antes disso e termina depois disso, mas tem seu ápice neste período. A família do personagem principal, François, é judia e sofreu muito com a Guerra e o Nazismo. Até mudaram a forma como o sobrenome da família – Grimbert – é escrito para poder fugir dos nazistas. Muitos conseguiram se esconder durante a caça aos judeus, enquanto outros acabaram tendo um destino cruel.

O livro é narrado na 1ª pessoa do singular, através da visão de François, um menino solitário, com baixa auto-estima e saúde debilitada. Ele inventa um irmão durante a infância, um irmão imaginário, que é uma espécie de alter-ego do autor, onde o mesmo reflete sua felicidade, seus medos e suas inseguranças. Ele se compara ao irmão como este sendo sempre melhor e superior, uma pessoa que ele mesmo gostaria de ser (bronzeado e forte em vez de magricela, por exemplo). Enquanto os pais e irmão inventado são saudáveis, ele está sempre doente. À medida que cresce, sente-se mais inseguro, inclusive com a “relação” com o suposto irmão, que passa a ser de raiva e sufocamento.

François adorava Louise, uma espécie de enfermeira-fisioterapeuta-farmacêutica, amiga e vizinha de seus pais, porque ela possuía muitos defeitos pelo corpo e detestava sua aparência, por isso se identificava com ela. Um se torna confidente do outro quando François tem 15 anos. Ele ama seus pais, Maxime e Tania, e sente que também é amado por eles, mas sempre sentiu que havia algo estranho nessa relação familiar. E não está errado.

Um belo dia, Louise não consegue se segurar e começa a contar histórias da família de François ao próprio durante uma das sessões de massagem. Ela foi lhe contando toda a história aos poucos, em cada sessão, e ele foi ficando cada vez mais perplexo, num misto de felicidade por saber finalmente a verdade sobre sua história e de tristeza pelos fatos em si. Entretanto, é partir daí que François começa a entender melhor seus pais e a si mesmo.

Durante a guerra, Maxime e Tania foram morar em Saint-Gaultier, onde viveram felizes e em paz, apesar de toda a situação pela qual Maxime estava passando (que não vou contar para não perder a graça). Em meio a toda a situação, Tania e Maxime se aproximam e finalmente cedem ao desejo há tanto tempo guardado, tornando-se amantes, o que causa um desconforto a todos da casa onde estão morando temporariamente. Quando voltam a Paris, a loja de Maxime está intacta e Louise continua tomando conta de tudo. Os negócios vão bem. Maxime continua reticente de ter um filho, enquanto Tania o deseja muito. Ela engravida. François nasce com uma saúde frágil, porém se mostra uma criança inteligente, calma e tem um desenvolvimento normal.

Outros personagens importantes que são citados no livro são Robert, ex-marido de Tania e irmão de Hannah, que era ex-esposa de Maxime, e Simon.

O autor descreve detalhes das características físicas e do jeito dos personagens, dos lugares, dos acontecimentos e das cenas. É tudo bem detalhado, mas não se torna maçante em momento algum, muito pelo contrário: em algumas cenas, os detalhes tornam a leitura mais interessante. Os sentimentos dos personagens são narrados com uma riqueza de detalhes que nos faz sentir o que o personagem está sentindo naquele momento e nos colocar no lugar dele.

Este livro foi uma grata surpresa. Comecei a ler por causa do curso, mas fui me envolvendo com ele e com os personagens. É daquele tipo de história que te faz sempre querer saber o que vai acontecer depois – depois de cada frase, de cada página e de cada capítulo. É um livro pequeno, então é rápido de ler, ainda mais que a história vai te deixando cada vez mais curioso e ansioso para saber o seu desfecho. O livro é baseado na própria história do autor e, já que ele é psicanalista, a narração é bem real e psicanalítica, por isso tantos detalhes dos personagens, que foi um fator que me agradou muito. Creio que Philippe Grimbert tenha escrito Un Secret justamente para que estrássemos em sua história mesmo, para que o compreendêssemos. E faz isso com maestria. Estou bastante curiosa para ler os seus outros livros. Leitura muito recomendada.

Nota: 

Abaixo, alguns trechos que achei interessantes:



Um comentário:

Aninha Frazão disse...

Uau, esse livro parece bem intenso!
Mas ele é psicanalista? Medo da profundidade que pode ter posto no livro! Mas se você diz que não fica chato, isso é bom!
Apesar de não ser muito meu estilo, a sinopse pareceu bem legal, pois também quero saber o segredo tão grande e seus detalhes!
A resenha ficou ótimas!

beijos,
Aninha
True-Insights

LinkWithin

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...