segunda-feira, 6 de janeiro de 2014

Feito Gente Grande

Ah, a infância... A época que dizem ser a melhor da vida! Sem compromissos, sem obrigações, sem preocupações, sem problemas... Só não é bem assim, não é? A infância é uma fase complicada da vida em alguns aspectos, de crescimento, amadurecimento e muitas descobertas – só perde para a adolescência. Muito se engana quem pensa que a infância é feita apenas de diversão. É nela que surgem os maiores traumas, que um adulto pode levar para o resto da vida, amizades e momentos inesquecíveis e aprendizados que serão levados para sempre. Tudo isso e mais é o que a pequena Rachel, uma menina solitária, tímida e sem amigos verdadeiros que acaba de completar 9 anos, aprendeu em pouco tempo ao conhecer Valérie, uma menina dita “intrépida” pelos rígidos porém amorosos pais de Rachel em Feito Gente Grande.


Enquanto Rachel vive em meio à crise no casamento dos pais e da divisão de quarto com sua vó, Valérie mora com sua mãe solteira e seu desbocado irmão mais velho, por quem Rachel tem uma paixonite. A amizade de Rachel e Valérie acaba por criar outra amizade: a de Michel (Denis Podalydès) e Catherine (Isabelle Carré), o calmo pai de Rachel e a bela mãe de Valérie, deixando Colette (Agnès Jaoui), a mãe de Rachel, insegura. Embora tenham situações familiares bem distintas, Rachel e Valérie desenvolvem um forte laço, mesmo contra a vontade inicial de Colette, e fazem muitas descobertas juntas, incluindo o caso de sua professora com outro professor em um ato impróprio no banheiro da escola. É Valérie que tira Rachel de dentro de sua casca, que lhe ensina expressões de baixo calão aprendidas com o irmão e a se divertir, curtir a vida, negociar com as colegas e a espionar. Se fossem mais velhas, Rachel e Valérie seriam, respectivamente, Ruth Jamison (Mary-Louise Parker) e Idgie Threadgoode (Mary Stuart Masterson) da emocionante obra americana Tomates Verdes Fritos (Jon Avnet, 1991).


Em seu segundo filme para o cinema (antes dirigiu dois curtas - L'aîné de mes soucis e Les baisers des autres), Carine Tardieu dá um presente ao público com uma história leve, divertida e emocionante sobre família e amizade. Seu primeiro longa, A Cabeça de Mamãe (2007), também retrata situações familiares, mas com a adição de um romance à trama. Em Feito Gente Grande, Tardieu dá foco à alegria compartilhada entre amigos e às mudanças que pequenos gestos, como reformar uma cozinha, podem significar na vida de uma pessoa. A atuação das atrizes mirins Juliette Gombert e Anna Lemarchand é o ponto mais forte do filme, que conta ainda com a participação especial de Isabella Rossellini como psicóloga de Rachel, cuja ingenuidade em certos momentos da trama é encantadora. Com um final marcante, há ainda a lição do crescimento causado pelo dor da perda, seguido pela superação, como em Ponte para Terabítia (Gabor Csupo, 2007), outro filme com uma bonita história de amizade entre duas crianças, Jess Aarons (Josh Hutcherson) e Leslie Burke (AnnaSophia Robb). Du vent dans mes mollets (no original) nos mostra a beleza e o sofrimento de crescer e amadurecer, de ganhar e perder, no melhor estilo francês. 89 minutos de diversão, emoção e nostalgia.

*Este texto também foi publicado aqui no Almanaque Virtual.


Feito Gente Grande (Du vent dans mes mollets)

França - 2011. 89 minutos.

Direção: Carine Tardieu

Com: Agnès Jaoui, Isabelle Carré, Isabella Rossellini, Denis Podalydès, Juliette Gombert e Anna Lemarchand.


Nota: 4

Nenhum comentário:

LinkWithin

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...