quinta-feira, 27 de março de 2014

Rio 2

Se na animação Rio (2011) o diretor Carlos Saldanha (da trilogia A Era do Gelo) quis mostrar o seu amor por sua cidade natal, o Rio de Janeiro, em Rio 2, a continuação, seu objetivo é fazer uma homenagem ao Brasil. O casal de araras azuis Blu e Jade, agora com três filhos – Bia, Carla e Thiago –, saem da vida doméstica na Cidade Maravilhosa e viajam até a Amazônia para que seus filhos aprendam a viver como pássaros de verdade. Junto com seus amigos Nico, Pedro e Rafael, a família se aventura e se diverte na floresta, com exceção de Blu, que tem dificuldade para se adaptar à vida selvagem e ser aceito por seu sogro, além de ser alvo da vingança de Nigel.


O filme começa com o famoso réveillon da Praia de Copacabana, perto da hora dos fogos. Túlio e Linda agora são casados e vivem na reserva que criaram com Blu e sua nova família. Na viagem que fazem para a Amazônia, descobrem que há uma possibilidade de haver mais araras azuis além de Blu e Jade, despertando a curiosidade da mesma, que convence Blu a levar as crianças até lá, e a ira do dono de uma madeireira ilegal na região onde estão, que fará de tudo para silenciar os dois que chama de ”ecochatos” para não chamar atenção para seu negócio, que, por sua vez, ameaça o santuário de pássaros onde Blu e sua família estão vivendo em sua temporada na floresta. Jade ficar feliz ao reencontrar o seu pai, Eduardo, sua tia Mimi e seu amigo de infância Roberto, provocando ciúmes em Blu, que se sente completamente deslocado e desconfortável naquele ambiente.


Enquanto em Rio há foco no samba e no Carnaval, em Rio 2 Saldanha escolheu dar maior abrangência à cultura brasileira como um todo, utilizando os ritmos da ciranda, carimbó e maracatu (típicos do Norte e Nordeste do país), uma nuance da capoeira (através de duas tartarugas) e incluindo o futebol, esporte que representa o país no mundo e é o mais amado pelo seu povo, na trama numa partida entre as tribos das araras azuis e das araras vermelhas, que vivem brigando por território, mas se juntam para defendê-lo. A performance de Blu no jogo lembra bastante a do personagem Timothy (Cameron 'CJ' Adams) em A Estranha Vida de Timothy Green (Peter Hedges, 2012): a emoção de sair do banco de reserva e entrar em campo é tão grande que ambos cometem o mesmo erro na hora de marcar o gol. Impossível também não se lembrar da comédia Entrando Numa Fria (Jay Roach, 2000) quando o assunto é a dinâmica de relacionamento entre Blu e seu sogro Eduardo, que é bastante similar à de Greg Focker (Ben Stiller) e Jack Byrnes (Robert De Niro) no tal “círculo de confiança da família Byrnes”, no qual Greg sofre na mão de seu sogro para entrar, assim como Blu sofre nas penas de Eduardo, que insiste em fazer um treinamento de selva com ele a fim de desumanizá-lo. Há, ainda, a equivalência entre Kevin (Owen Wilson), ex-namorado da noiva de Greg que Jack adora, e Roberto, braço direito de Eduardo e amigo de infância de Jade que vive flertando com ela.

Outras ótimas referências presentes em Rio 2 são as alusivas a Shakespeare (em especial Hamlet e Romeu e Julieta), por meio das personagens Nigel, a cacatua má que deseja se vingar de Blu, e Gabi, uma rã venenosa que é apaixonada por Nigel, além da cena impagável de Nigel dançando e cantando uma versão de “I Will Survive” fantasiado de Hamlet.


A trilha sonora – mais uma vez assinada pelos músicos Carlinhos Brown e Sérgio Mendes, e comandada pelo premiado compositor John Powell – continua sendo o ponto alto em Rio 2, uma vez que o Brasil possui forte musicalidade e a animação é também um musical. O roteiro, co-escrito por Carlos Saldanha, Don Rhymer (que também participou do primeiro longa e faleceu no final de 2012, no meio do projeto, que é dedicado a ele), Carlos Kotkin, Jenny Bicks e Yoni Brenner, é coerente e envolvente. Além dos valores da amizade, do amor e da perseverança de seu antecessor, este traz em sua bagagem de valores a importância da família, o perdão e o reconhecimento, assim como as mensagens já batidas de que o bem e o amor sempre vencem, e de que todos têm seu valor, função e utilidade numa comunidade. Sob a competente direção de Saldanha, Rio 2 é um filme para toda a família, ainda melhor que o primeiro.

*Este texto também foi publicado aqui no Almanaque Virtual.


Rio 2 (Idem)

França - 2011. 89 minutos.

Direção: Carlos Saldanha

Com: Rodrigo Santoro, Leslie Mann, Anne Hathaway, Jesse Eisenberg, Jemaine Clement, Kristin Chenoweth, Bruno Mars, George Lopez, Tracy Morgan, Andy Garcia e Jamie Foxx.


Nota: 4

Um comentário:

Samantha disse...

Que resenha maravilhosa! Eu assisti "Rio" e amei, e provavelmente assistirei "Rio 2" nesse final de semana. Já estava com muita vontade de ver o filme, e depois de ler a tua crítica, fiquei mais ansiosa ainda, hahah. Ficou muito bem feita, parabéns. :)

Beijos,
Samantha
Books and Other Things - http://livroseetecetera.blogspot.com.br/

LinkWithin

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...