sexta-feira, 18 de julho de 2014

O Melhor Lance

Ambientado no mundo dos leilões de arte, o novo longa do mestre Giuseppe Tornatore, responsável pela obra-prima “Cinema Paradiso”, “O Melhor Lance” é diferente de tudo o que o cineasta apresentou até hoje, a começar pelo fato de ser o seu primeiro filme rodado totalmente em inglês. Com um elenco pequeno, porém competente e sem a presença de sequer um ator americano, somos apresentados a uma narrativa de estética e ritmo singulares repleta de mistérios. Geoffrey Rush (“A Menina Que Roubava Livros” e “O Discurso do Rei”) é Virgil Oldman – e este nome não é à toa, como nada neste filme, aliás, o é –, um conhecido e respeitado leiloeiro e grande especialista de arte e antiguidades, além de peculiar colecionador. Após ser contratado por Claire Ibbetson (Sylvia Hoeks, de “Tirza” e “A Gangue de Oss”), uma jovem herdeira reclusa com quem nunca consegue se encontrar pessoalmente, Oldman se vê estranhamente envolvido com a moça, recorrendo aos conselhos de Robert (Jim Sturgess, de “Across the Universe” e “Um Dia”), que o ajuda na restauração e montagem de peças antigas, para conquistar sua confiança.


Logo no início da fita, somos apresentados a um Virgil metódico, fóbico, frio e solitário, vivendo em uma enorme casa que mais parece um hotel, com uma espécie de cofre-sala oculto espetacular, cujas paredes são tomadas por quadros de retratos femininos que ele não se cansa de contemplar. Virgil considera a mulher uma obra de arte incompreensível, um enigma indecifrável que o fascina, mas que também o intimida. Claire se encaixa perfeitamente neste perfil, já que estabelece um jogo bipolar de gato e rato com Virgil conversando com ele somente por telefone e através das paredes da mansão onde vive, atiçando cada vez mais a sua curiosidade e fazendo-o sair gradativamente de dentro de sua casca de homem sisudo e cauteloso. A vulnerabilidade de Virgil se torna cada vez mais evidente, da mesma maneira que o fato de seu comportamento e o de Claire serem reflexos um do outro sem que ele perceba. O leiloeiro não poderia estar mais certo: há sempre algo de autêntico em toda falsificação.


Junto com Virgil, nos indagamos sobre a possível agorafobia de Claire, como ela conseguiu passar tanto tempo morando sozinha, se excluindo do mundo naquela mansão e o que ela tanto esconde. Assim como as engrenagens que ele encontra pela mansão, que Robert descobriu serem de um famoso androide do século XVIII, o quebra-cabeça da trama vai aos poucos se encaixando e tomando forma, mas é apenas no final que as pistas dadas pelas personagens ao longo da película passam a fazer sentido para o espectador. Donald Sutherland (“Jogos Vorazes”), cujo papel parece ser de um simples figurante, dá outra dimensão à história, assim como a anã superdotada do café, interpretada por Kiruna Stamell (“Moulin Rouge: Amor em Vermelho”). Jim Sturgess, no papel mais distinto de toda a sua carreira, dessa vez não é um romântico apaixonado, e sim, um nerd mulherengo e conselheiro amoroso, e também surpreende positivamente.


A direção detalhista e elegante de Tornatore, em conjunto com as ótimas atuações – principalmente do gigante Geoffrey Rush, que dá um verdadeiro show e rouba a cena na pele de Virgil Oldman –, os enquadramentos com o jogo de luzes que contribuem para o constante tom de mistério e a mise-en-scène impecável, fazem de “The Best Offer” (no original) um filme interessante, apesar de algumas lacunas deixadas pelo roteiro para serem preenchidas pela imaginação do público. Muito diferente de “Em Transe”, de Danny Boyle, de mesma temática de base (os leilões), que possui muita velocidade, ação, cores fortes e trabalha com variações temporais, “O Melhor Lance” não tem pressa para revelar os seus segredos, utiliza cores mais sóbrias e luxuosas e deseja envolver o espectador do mesmo modo que Virgil se viu envolvido com Claire. Tornatore trabalha sempre com o presente, nunca com o passado ou o futuro, e apresenta um desfecho que pode parecer previsível para alguns, mas que não deixa de ter o seu charme e o toque lírico habitual do diretor.

*Este texto também foi publicado aqui no Almanaque Virtual.


O Melhor Lance (The Best Offer)

Itália - 2014. 131 minutos.

Direção: Giuseppe Tornatore

Com: Geoffrey Rush, Jim Sturgess, Sylvia Hoeks e Donald Sutherland.


Nota: 4

Nenhum comentário:

LinkWithin

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...